19 Dec

Um passeio pelos Lagos Andinos

Devo confessar para vocês que viajar pela Argentina e Chile demorou para ser um destino convidativo para mim. Infelizmente, não haviam razões para não ter valorizado antes esses dois países que os turistas tanto adoram. Minha visão mudou totalmente quando  uma capa de revista despertou um desejo, uma reportagem serviu de inspiração, um planejamento gerou um sonho e uma viagem tornou-se inesquecível.

Capa da revista (Fevereiro 2011)

Passei um ano tentando extrair todas as informações possíveis para que essa viagem pudesse superar minhas expectativas e no decorrer dela fazer com que eu desejasse retornar para aproveitar outros encantos dos mesmos. Admito… Isso realmente aconteceu!

Atualmente, a travessia dos Lagos Andinos deixou de ter uma única opção de percurso  (Bariloche – Peulla – Puerto Varas – Puert Montt) e ganhou um novo aliado com a Nova Travessia dos Lagos Andinos (Bariloche – Rota dos Sete Lagos – San Martín de Los Andes – Púcon).

Após analisar todos os aspectos tanto de uma como de outra, observei que nenhuma delas de forma isolada supriria minha real intensão em explorar esse tour tão clássico e obrigatório para os visitantes da região. Assim, foi necessário conciliar as duas rotas vivenciando ambas experiências, como também,  comprovar as belezas e particularidades de cada travessia.

NOVA TRAVESSIA DOS LAGOS ANDINOS

Acabei optando por uma excursão pela Rota dos Sete Lagos a partir de Bariloche, pois já tinha definido todo o itinerário da minha viagem quando concluí que não seria possível realizar as travessias da forma usual porque seus trajetos iriam para outros sentidos e eu já tinha como base a mesma cidade. A alternativa e/ou solução foi esse passeio de um único dia realizado entre os meses de Outubro à Abril. Por isso, se você pretende ir nessa época do ano para Bariloche não deixe de fazê-lo. Também, é possível locar um carro e fazer o mesmo por conta própria.

Roteiro

– Bariloche: Lago Nahuel Huapi.

lago Nahuel Huapi – Bariloche

– Villa La Angostura: Nossa primeira parada do passeio foi em Villa La Angostura localizada a 85 Km de Bariloche para apreciarmos um pouco do Cerro Bayo (como fomos no verão o centro de Sky não estava funcionando) e conhecer essa cidadezinha super charmosa. Já está na minha Wish-List como destino de inverno.

Villa La Angostura e o Cerro Bayo

– Rota dos Sete Lagos: Percorremos 110 Km (alguns bons quilômetros em estrada de chão) apreciando as belezas dos Lagos Espejoso, Correntoso, Escondido, Villarino, Falkner,  Machonico e Lácar.

Rota dos setes Lagos – Nova Travessia

Rota dos setes Lagos – Nova Travessia

– San Martín de Los Andes:  A cidade é lindíssima, super organizada e acolhedora. Já quero me organizar para retornar no inverno e curtir a estação de esqui do Monte Chapelco.

Lago Lácar é balneário de verão em San Martín de Los Andes

San Martín de Los Andes

Retornamos para Bariloche pela estrada que passa pelo Vale Encantado. O visual é completamente diferente, sendo muito comum avistar animais como javalis e cervos e apreciar uma pisagem típica de deserto

“TRADICIONAL” TRAVESSIA DOS LAGOS ANDINOS

Depois de passar dias fantásticos em Bariloche e cumprir com tudo o que havia programado chegou o dia da tão aguardada travessia dos lagos andinos. Não consegui definir se meu sentimento era de euforia, ansiedade ou receio (rsrsrs). Não tinha dúvidas sobre a escolha do mesmo, mas conforme lia relatos de outros viajantes foram surgindo algumas inseguranças.

A minha maior preocupação continuou sendo as condições climáticas do dia e aquilo que eu tanto temia realmente aconteceu. Peguei o dia totalmente encoberto. Outro fator que também gerou dúvidas foi quanto a escolha da travessia em um único dia (só é possível nos meses de alta temporada, Setembro a Abril). Esse passeio além de muito longo exige muito sobe e desce de ônibus intercalados com embarque e desembarque de catamarãs/barcos.

Travessia Tradicional

Roteiro

– Barco: Partimos do Hotel em Bariloche até Puerto Pañuelo, onde iniciamos a nossa travessia a bordo de um Catamarã da empresa Cruce Andino (Site: http://www.cruceandino.com/). O valor do passeio é um pouco alto (torno de US$ 200,00 por pessoa) e a empresa se responsabiliza por nossas bagagens. Velejamos por uma hora pelo braço blest do Lago Nahuel Huapi em direção oeste até chegar em Puerto Blest. Esse percurso é famoso por podermos alimentar as aves que se aproximam do catamarã.

– Ônibus: Em Puerto Blest percorremos 3 Km em estrada de chão até Puerto Alegre.

Travessia Tradicional -Puerto Alegre

– Barco: Puerto Alegre navegamos pelo lago com águas calmas e cristalinas até Puerto Frías. Ao descer em Puerto Frías foi necessário fazer a parada na imigração argentina.

Um dos Barcos da Travessia Tradicional

– Ônibus: Nesse trecho percorremos a passagem entre a Patagônia Argentina e Chilena, sendo o marco principal da fronteira uma parada simbólica do ônibus entre o Parque Nahuel Huapi (Lado Argentino) e o Parque Vicente Pérez Rosales (Lado Chileno), seguindo o percurso até  Peulla.

– Peulla: Parada obrigatória na imigração chilena que ao contrarário da argentina é bastante rigorosa nas vistorias das bagagem. O processo é um pouco demorado e evite  de transportar nas malas frutas, laticínios e carnes porque eles realmente abrem e conferem todas as malas. Após garantir o carimbo no passaporte e a regularização no país fui para o Hotel Natura Patagonia fazer um pit stop para almoço.

– Barco: Foi a última etapa de navegação até Petrohué e percorre o Lago de Todos Los Santos.  Infelizmente com o tempo fechado não pude visualizar o vulcão osorno e o pontiagudo. Com certeza seria o visual mais deslumbrante de toda a travessia. Em Petrohué é necessário fazer o reconhecimento da bagagem e leva-lá para o ônibus que faz o traslado até Puerto Varas.

– Ônibus: Percorremos 60 Km de Petrohué até Puerto Varas com uma parada para visitar os Saltos de Petrohué (valor do ingresso não está incluso no passeio) durante 15 – 20 minutos. Eu acabei não descendo nessa parada porque o clima estava desfavorável para apreciar os saltos. Como ficaria alguns dias em Puerto Varas deixei para retornar em um dia de sol.

Travessia Tradicional – Chegando em Petrohué

Ambas as travessias são maravilhosas! Amei a forma como organizei o roteiro e faria tudo novamente acrescentando alguns dias em Villa La Angostura e San Martín de Los Andes. Também, mudaria a estação do ano para poder apreciar um outro tipo de beleza e uma outra paisagem! Lógico, curtir os centros de sky e arriscar um snowboard. Não seria bom curtir um inverno assim?

OBSERVAÇÕES:

– A Rota dos Sete Lagos pode ser fechada durante o inverno por conta da neve. É importante buscar informações sobre as condições da estrada antes de se aventurar na mesma.

– O Cruce Andino realiza a travessia durante o ano todo, sendo que no inverno a única opção para a mesma são de dois dias com pernoite em Peulla (Valor da diária não está inclusa no passeio).

Categorias: América do Sul, Argentina, Bariloche, Chile, Destaques, Lagos Andinos, Peulla, Pucon, Puert Montt, Puerto Varas, Rota dos Sete Lagos, San Martín de Los Andes
06 Apr

Argentina e Chile por Mariane | Minha viagem

Hoje na Série Minha Viagem, a Mariane irá contar um pouco como foi sua viagem para Argentina e Chile ;)

………………………

Nome: Mariane de Andrade Neves Barbosa

Profissão: Biomédica

Cidade/Pais: Florianópolis, SC, Brasil

Roteiro: Argentina (Buenos Aires, Bariloche), Cruce Andino e Chile (Puerto Montt, Puerto Varas, Frutillar, Pucon e Santiago)

Casa Rosada (Buenos Aires)

 

Parque Nacional Villarrica (Pucon)

 

Frutillar

Quantos tempo: 20 dias (4 dias em Buenos Aires, 7 dias em Bariloche, 3 dias em Puerto Varas, 2 dias em Pucon e 3 dias em Santiago)

Vulcão Villarrica (Pucon)

 

Vulcao Osorno (Parque Nacional Vicente Perez Rosales)

Com quem: Esposo

Estação do Ano: Verão (Março 2012)

Ar, Trem ou Mar: Avião (Pegamos o trecho com milhas pela Gol), Mar (Cruce Andino) e ônibus (Jac e Tur Bus = Super recomendo a viagem de ônibus pelo Chile. Além de ser mto em conta (7 mil pesos chilenos e 11 mil pesos chilenos) as poltronas são confortáveis)

Hoteis: Hotel Colon (Buenos Aires), Hosteria Pampa (Bariloche, Parque Nacional Nahuel Huapi), Design Suites (Bariloche), Cabanas del Lago (Puerto Varas), Hotel Malalhue (Pucon) e Hotel Neruda (Santiago).

Restaurantes/Bares: Senzo (Pucon) – Melhor nhoque que comi na minha vida com um filet flambado na tequila com cebola e pimentões vermelhor; Família weiss (Bariloche), La Bisteca (Buenos Aires), Cassis (Pucon e Puerto Varas)

Compras/souvenirs: Alfajores, chocolates e doce de leite.

O que mais gostou: Bariloche me encantou!!! Quero voltar nas outras estações do ano!!! o contrário do que muitas pessoas pensam… Bariloche não oferece atrativos somente no inverno. Durante o verão tem inúmeras opções de passeios. Ficamos 7 dias e não conseguimos fazer tudo o que nos era oferecido.

Cerro Campanário (Bariloche)

Glaciar Castaña Overo (Bariloche - Parque Nacional Nahuel Huapi)

 

Lago Machonico (Caminho dos 7 Lagos, Bariloche)

Não vale a pena:  Viña del Mar e Valparaiso.

O que mudaria: Teria ficado somente 1 dia em Santiago, já que a cidade oferece mais opções de passeios no inverno.

Cerro San Cristovan (Santiago). Tentativa de ver a Cordilheira dos Andes

…………………………………

Categorias: Argentina, Bariloche, Buenos Aires, Chile, Cruce Andino, Frutillar, Minha viagem, Pucon, Puerto Montt, Puerto Varas, Santiago