02 Sep

Puerto Natales: surpreenda-se com a Patagônia Chilena

puerto natales - patagônia chilena

Independente da forma como você pretende explorar a Patagônia Chilena a primeira coisa que deve ser definido é o tempo e o custo da sua viagem. Esse destino atende desde os viajantes mais aventureiros até os turistas mais exigentes. O que realmente importa é estar lá!

Eu, Mariane, sempre tive um imenso desejo de conhecer o Parque Nacional de Torres Del Paine e não hesitei em incluir alguns dos principais atrativos da Patagônia Chilena na nossa viagem para a Patagônia Argentina. Contudo, o pouco tempo que havia disponibilizado para a região não permitiria fazer tudo o que havíamos planejado. Diante isso, precisei analisar alternativas para conseguir cumprir com o cronograma inicial.

O que parecia difícil e impossível foi totalmente esclarecido e solucionado pelo Blog Viaje na Viagem. Então, o que nos restou foi utilizar da mesma artimanha e curtir a viagem dentro da nossa disponibilidade e do nosso orçamento.

puerto natales - patagônia chilena

O QUE FIZEMOS

Pensando no melhor custo X benefício, optamos por partir de El Calafate de ônibus para Puerto Natales com a empresa Cootra por CLP 27 000 (pesos chilenos) trecho/pessoa e utilizar essa pequena cidade como base para explorar o que realmente nos interessava, ou seja, o Parque Nacional de Torres Del Paine e os Glaciares Balmaceda e Serrano.

A passagem pode ser adquirida no terminal rodoviário de El Calafate ou com a agência de turismo local Tour Express através de contato por e-mail e pagamento por depósito bancário. Nós fizemos o depósito com a agência e retiramos as passagens na rodoviária.

A viagem, 290 Km, é tranqüila e as estradas apresentam ótima infraestrutura, mas um pouco longa e cansativa (aproximadamente 7 horas) em decorrência dos trâmites nas aduanas Argentina e Chilena.

QUANTO TEMPO

Reservamos 4 dias para a Patagônia Chilena, sendo:

1° Dia: El Calafate – Puerto Natales

2° Dia: Puerto Natales – Excursão ao Parque Nacional Torres Del Paine

3° Dia: Puerto Natales – Navegação pelos Glaciares Balmaceda e Serrano

4° Dia: Puerto Natales – El Calafate

O único ponto negativo foi não ter dado tempo de fazer o trekking até a base da Torre.

puerto natales - patagônia chilena

HOSPEDAGEM

Através do Booking analisamos as indicações e reservamos a Casa Lucy. A Casa Lucy é um Bed & Breakfastque tornou nossa primeira experiência nesse sistema de hospedagem super agradável. Gostamos tanto que iremos utilizar em outras oportunidades.

Pontos Positivos: Lucy foi muito atenciosa e receptiva, nos deixou super a vontade e nos deu todas as informações necessárias para conhecer a cidade, como também, se preocupou com o horário do café da manhã para ser servido de acordo com o horário previsto para a saída de cada passeio. Diferente de outras cidades da patagônia, o café da manhã tinha uma boa variedade e diversidade com suco de frutas, frutas, café, leite, yogurte, pães, frios e bolo.

Pontos Negativos: Não está muito próximo do centro, aproximadamente 10 – 15 minutos de caminhada. Mas, o serviço de taxi é indispensável. Utilizamos somente rodoviária – Casa Lucy e Casa Lucy/Rodoviária por conta da nossa bagagem.

AGÊNCIA DE TURISMO

Por indicação do Ricardo Freire utilizamos a agência Tour Express para duas excursões: Tour Torres Del Paine e Navegação pelos Glaciares Balmaceda e Serrano. Todo contato, reservas e pagamentos foram realizados por e-mail e depósito bancário. Aprovamos e, também, indicamos a empresa!

puerto natales - patagônia chilena

CONCLUSÕES GERAIS

Nossa estadia em Puerto Natales supriu nossa real necessidade de fazer um turismo com comodidade e conhecer o que realmente havíamos programado. Puerto Natales por si só é uma cidade sem grandes atrações, mas como cidade base para o Parque Nacional de Torres Del Paine é a melhor alternativa para os turistas que não gostam de acampar e procuram hospedagens mais econômica aos hotéis Tierra Patagônia Hotel & Spa ou o Explora Patagônia Hotel & Spa 

Categorias: América do Sul, Chile, Patagônia, Puerto Natales
12 Aug

El Chaltén: 2 dias de aventura e paisagens deslumbrantes

A grande responsável pela inclusão da cidade de El Chaltén na nossa viagem a Patagônia foi a Carolina Rodrigues do Blog Dicas e Roteiros de Viagens. Nada melhor do que ótimas dicas e fotos maravilhosas de um viajante que já se rendeu as aventuras de El Chaltén concordam?

1011481_10200198718762708_2112936300_n

HOSPEDAGEM

Mais uma vez o Booking.com foi o responsável pela nossa reserva do hotel e depois de algumas indicações e análise do custo x benefício escolhemos a Hosteria Koonek.

Pontos Positivos: localização, atendimento e a cordialidade dos funcionários em nos orientar e facilitar nosso receptivo (transfer hotel – rodoviária/transfer hotel – hosterial El pilar/taxis), flexibilidade no horário do café da manhã, quarto amplo e banheiro limpo.

Pontos Negativos: Cama de casal muito pequena e barulhenta.

COMO CHEGAMOS

Compramos uma passagem de ônibus de El Calafate para El Chaltén com a Cal Tur, ARG$ 280,00 ida e volta por pessoa, em uma agência de turismo na Avenida Libertador San Martín com 3 dias de antecedência. A empresa oferece saídas diárias em três horários. Nós optamos pelo horário das 18:30 hrs e a escolha não poderia ter sido melhor, pois conseguimos aproveitar o dia em El Calafate e ainda fomos surpreendidos por um pôr-do-sol maravilhoso durante todo o trajeto com o monte Fitz Roy ao fundo, inesquecível!

A Chalten Travel é outra companhia de ônibus que realiza esse mesmo trajeto, mas esse ônibus é de linha e não oferece nenhum conforto para uma viagem com 3 hrs de duração. Por isso optamos pela Cal Tur que oferece assentos mais confortáveis e ar condicionado.

OBSERVAÇÃO: Compre a passagem com antecedência, já que a procura é muito grande e mesmo com ônibus extras há a possibilidade de não conseguir o trecho. Outra opção para aqueles que já gostam de viajar com tudo organizado é adquirir as passagens pela Plataforma 10. O site é seguro e aceita pagamento com cartão de crédito.

index.php

DESCRITIVO DO ROTEIRO

1° Dia: Trekking Laguna Los Tres

Sem sombra de dúvidas esse foi o maior desafio durante toda a nossa viagem a patagônia e independente da aquisição dos equipamentos adequados e o preparo físico e emocional (rsrsrs) antes da realização do percurso, qualquer tentativa passava longe de criar uma situação próxima da realidade de um trekking com essas mesmas características, sendo um trajeto longo e com alto grau de dificuldade isso já estávamos cientes e cansados de saber, mas vivenciar essa aventura foi ao mesmo tempo e na mesma proporção desgastante e motivador, no qual esse equilíbrio nos deu a seguinte lição: sempre podemos e somos capazes de fazer e realizar tudo aquilo que almejamos.

A Dona da Hosteria Koonek nos orientou a utilizar o serviço de van do centro a Hosteria El Pilar, já que a distância de 14 Km não era tão atraente e reduziria o rendimento no que realmente compensava. Seguimos o conselho e compramos nossa passagem por ARG$ 60,00 ida/pessoa. Para os mais condicionados e corajosos o percurso pode ser realizado a pé.

Partindo da Hosteria El Pilar seguimos aproximadamente 6 Km, cerca de 1:30 hrs, para o mirador Glaciar Piedras Blancas. Consideramos todo o percurso com fácil acesso, boa estrutura para ser transitado, mas em alguns trechos faltou sinalização. Nada que outros viajantes não te ajudem pelo caminho (rsrsrs). Demos continuidade até passar pelo Acampamento Poincenot e nos demos conta que o maior trajeto já havia sido percorrido, mas que o pior trecho ainda nos aguardava. Há poucos metros do acampamento já iniciaríamos o trecho final do trekking e não imaginávamos o que nos aguardava um intenso trecho de subida íngreme. Mas, não era qualquer subidinha (rsrsrs) Era subida que não acabava mais. O tempo ainda não ajudava para motivar porque está tudo coberto por nuvens e não conseguíamos ver nem a pontinha do Fitz Roy. Esse trecho é muito exaustivo porque exige muito do condicionamento físico, mas o Parque Nacional Los Glaciares trabalhou com uma estrutura de escadas feitas em pedras para auxiliar e dar mais segurança aos “trilheiros”. Essa grande subida durou cerca de 2:30 hrs, já somados aos períodos de pausas para descanso e fotos.

Além do desgaste físico fomos surpreendidos com um desgaste emocional inesperado… Concluir nossa missão e não conseguir visualizar o monte Fitz Roy. O jeito foi fazer aquela pausa para lanche e esperar o tempo mudar. Permanecemos cerca de 2 hrs esperando o tempo limpar sob vento forte, mas a paisagem privilegiada foi mais que recompensadora.

“Fitz Roy”, na linguagem dos índios Telhuelches significa “Montanha que fuma”.

Depois de apreciar a vista deslumbrante do local nos preparamos para a descida que foi outra surpresa (rsrsrs). O trajeto, também, tinha 12,5 Km e demoraria certa de 4:30 hrs até o vilarejo de El Chaltén.

index.php

Retornamos pelo Trekking Laguna de Los Tres que passa pela Laguna Capri e pelo Rio Las Vueltas, mas o percurso também era com alto grau de dificuldade e os longos trechos de descida foram sofridos para nossos joelhos. Por isso, não esqueçam seus bastonetes de trekking ou alugem.

Concluímos todo o trekking com a parada para fotos e almoço em 10 horas e foi tempo suficiente para desfrutarmos das lindas paisagens e garantir ótimas recordações. Mas, lembrem-se o percurso é longo e cansativo por isso é importante ir preparando seu corpo com alguns meses de antecedência; não se esqueça da sua mochila com uma garrafa de água e algum lanche leve; nunca deixe lixo no local; seu corpo pediu um descanso, respeite-o; reserve o dia todo para o trekking e estude antes o trajeto a ser percorrido.

index.php

2° Dia: Viedma Ice Trek

Fechamos o passeio em El Calafate com a agência Patagonia Aventura (http://www.patagonia-aventura.com/portugues/index.html). O passeio consiste em um trecho em ônibus até o ponto para embarque no barco, navegação pelo Lago Viedma, caminhada pela borda do glaciar viedma e um trekking de 2:30 hrs sobre a geleira com orientação e supervisão dos guias.

Há uma etapa de caminhada em rochas sem grampones que somente são colocados no momento da caminhada em cima das geleiras, na qual podemos observar fendas, fissuras e gretas formadas no Glaciar Viedma. No último instante do passeio fomos surpreendidos por uma caverna, na qual podemos apreciar um excelente licor de whisky, o Baileys.

Duração: 6 hrs.

Valor: ARG$ 730,00 por pessoa

Recomendações:

– Levar lanche, pois o valor do passeio não está incluso almoço ou lanche

– Usar roupas confortáveis, casaco impermeável, luvas, gorros e óculos de sol

– O passeio pode ser realizado com pessoas acima de 12 anos

index.php

INDICAÇÕES DE RESTAURANTES:

– Rotisería Nipo Nino. Avenida San Martin 872. Ótimas empanadas e eles preparam várias opções de sanduiches para levar para os trekkings. Pedimos um lanche com presunto, queijo e salada e saia em torno de 18 pesos cada.

– El Muro. Vimos uma foto em um blog da lasanha de cordeiro e não teve dúvidas na nossa escolha. A lasanha serve 2 pessoas por um valor de ARG$ 88,00.

La Cervejeria. Avenida San Martin 320

Adoramos o chopp artesanal da La cervejaria, tem as opções em bock (ARG$ 30,00 a tulipa) e pilsen (ARG$ 28,00 a tulipa) e eles ainda oferecem como cortesia pipoca para petiscar enquanto você degusta o chopp.

Categorias: América do Sul, Argentina, El Chaltén, Patagônia
06 Mar

Planejando a viagem para Patagônia

images

Essa está sendo minha primeira viagem realizada totalmente por conta própria. Trabalhoso? Muito, ainda mais para mim que sempre dependi de uma agente de viagem para me auxiliar, mas acabei vencendo minhas inseguranças e corri atrás para o planejamento de todos os detalhes dessa tão aguardada viagem para a Patagônia. Gostou do destino? Então, venha acompanhar todos os detalhes!

Por quê Patagônia?

Em Março de 2012 aproveitamos nossas férias para explorar um pouco da América do Sul! Como me surpreendi com as belezas da região tive que dividir as regiões de interesse por etapas. Infelizmente, a pouca disponibilidade de tempo nos impediu de acrescentar a Patagônia (Passamos 20 dias percorrendo as regiões dos Lagos e Vulcões pela Argentina e Chile).

Durante nossa travessia dos Lagos Andinos fizemos amizade com um casal de brasileiros do Rio de Janeiro  que se apaixonaram pela região mais meridional da América do Sul. Eles não só compartilharam suas experiências conosco, como também, mostraram com paixão todos os seus registros. Vendo a empolgação deles e de outros viajantes europeus que embarcaram nesse mesmo passeio não houve dúvidas que eu precisaria viver aquelas experiências e curtir todas as belezas naturais.

Retornando ao Brasil, comecei minhas pesquisas e tive ótimas informações em alguns blogs/sites que contribuíram no nosso planejamente e esclareceram dúvidas que foram surgindo no decorrer da busca por informações sobre esse destino.

http://toperambulando.com.br/

http://www.dicasroteirosviagens.com/

http://www.valeapenairdenovo.com.br/2012/06/patagonia

Quando ir?

A Patagônia oferece atrativos durante o ano todo, mas a melhor epóca para conhecer a região vai depender totalmente do interesse particular de cada um. Nós, optamos por ir durante o verão (Novembro à Março) porque é melhor para observar as geleiras, ver os lagos mais cristalinos, realizar caminhadas e os passeios que vamos fazer só são realizados nessa estação do ano. Porém, se você tem fascínio por neve e já é adepto dos esportes de inverno (Esqui, Snowboard) os meses mais apropriados são de Junho à Agosto.

Como ir?

São inúmeras as opções para se chegar na Patagônia e tudo dependerá do seu estilo de viagem e do seu orçamento! Como pesquisamos com antecedência encontramos uma tarifa da Aerolíneas Argentinas (http://www.aerolineas.com.ar/) muito atrativa e acabamos comprando o aéreo partindo de São Paulo (GRU)/Ushuaia, Ushuaia/El Calafate e El Calafate/São Paulo (GRU) por US$ 561,25 ou R$ 1122,50 por pessoa com taxas de embarque. Outra companhia aeréa que opera nessas cidades é a LAN (http://www.lan.com/), mas as tarifas costumam ser mais altas. Vale a pena pesquisar sempre! Li muitas críticas sobre a Aerolínias Argentinas, contudo já fiz uma viagem pela companhia de Buenos Aires/San Carlos de Bariloche e achei equivalente aos padrões das outras companhias aéreas que já utilizei.

Para aqueles que desejam realizar uma viagem internacional de ônibus a Pluma Internacional (http://www.pluma.com.br/) é a empresa que oferece alguns destinos dentro das principais cidades da América do Sul. Outras empresas de ônibus  como a ANDESMAR, VIA BARILOCHE, FLECHA BUS atendem as principais cidades dentro da Argentina. Lembrando, optando por esse tipo de transporte deve estar atento as grandes distância entre as cidades, sendo necessário acrescentar mais dias para compensar a viagem, principalmente para a Patagônia.

Quadro de Distâncias

Buenos Aires El Calafate 2896 Km
Buenos Aires Ushuaia 3496 Km
Ushuaia El Calafate  880 Km
El Calafate El Chaltén  220 Km
El Calafate Puerto Natales (Chile)  335 Km

Para distâncias menores, como está sendo nosso caso, aconselho a utilização das empresas de ônibus ou alugar um carro para se deslocar de uma cidade para outra.

Nós optamos por realizar o deslocamento de El Calafate/Puerto Natales de ônibus com a Cootra que oferece saídas diárias às 8:30 hs em ambos os sentidos por um valor de 17.500 pesos chilenos ou R$ 70,00 cada trecho/por pessoa. A viagem tem uma duração de 6 hs incluindo a parada na imigração na fronteira da Argentina com o Chile. Devo ressaltar que para aqueles que optarem pela locação de um carro é necessários estar ciente de todas as documentações exigidas e considerar as orientações para atravessar a fronteira. No Chile, as normas são rígidas e cumpridas!

Outro deslocamento que faremos de ônibus é de El Calafate/El Chaltén com a Cal Tur (http://www.caltur.com.ar/) que oferece saídas diárias em três horários (8:30 hs, 13 hs e 18:30 hs) em ambos os sentidos por um valor de ARG$ 150,00 (pesos chilenos) ou R$ 70,00 cada trecho/por pessoa. A Chaltén (http://www.chaltentravel.com/main.php) é outra empresa que oferece esse mesmo destino nos mesmos horários e pelo mesmo valor.

Documentos necessários:

Argentina

– Passaporte Original ou RG Original

– No caso de locação de veículos é necessário levar a CNH brasileira dentro do prazo de validade e ter uma CNH internacional como precaução.

Chile

– Passaporte Original

OBS: Estar sempre atento ao prazo de validade do passaporte, pelo menos 6 meses antes do vencimento!

– CNH internacional.

OBS: Se for atravessar as fronteiras estejam muito atentos porque no Chile eles são muito rigídos quanto a entrada no país!

Qual moeda levar?

Argentina:

– Dólar: para pagamento dos hotéis.

– Pesos Argentinos: moeda local para pagamento das entradas do parque (só aceitam moeda local) e outros gastos pessoais como alimentação, transporte e algumas comprinhas.

Chile:

– Dólar: para pagamento dos hotéis.

– Pesos Chilenos: moeda local para pagamento das entradas do parque (só aceitam moeda local) e outros gastos pessoais como alimentação, transporte e algumas comprinhas.

OBS: Os passeios, restaurantes e taxis podem ser pagos em dólar ou pesos argentinos/chilenos. Recomendo levar um valor considerável em espécie, pois não são todos os hotéis e restaurantes que aceitam cartão de crédito.

Onde ficar?

Em qualquer cidade da região da Patagônia você irá encontrar inúmeras opções de hotéis, (desde os mais econômicos até os mais luxuosos), hostels ou hosterias. Como os passeios na Patagônia são caros, nós procuramos economizar nos hotéis para realizarmos todos os passeios de interesse. Lógico, que a localização, a qualidade do café da manhã, o conforto e a limpeza do hotel são sempre itens primordiais no nosso processo de escolha.

Utilizamos o site do www.booking.com e conseguimos hotéis que atendessem todas as nossas necessidades e estivesse dentro do orçamento estipulado. Mesmo porque o intuito dessa nossa viagem não é curtir o hotel e sim aproveitar o máximo os atrativo que as cidades a serem visitadas oferecem.

Nosso Roteiro:

1° Dia: Florianópolis – São Paulo GRU

2° Dia: São Paulo GRU – Ushuaia

3° Dia: Ushuaia

4° Dia: Ushuaia

5° Dia: Ushuaia

6° Dia: Ushuaia/El Calafate

7° Dia: El Calafate

8°Dia: El Calafate

9° Dia: El Calafate

10° Dia: El Calafate/Puerto Natales

11°Dia: Parque Nacional Torres del Paine

12° Dia: Parque Nacional Torres del Paine

13° Dia: Puerto Natales/El Calafate/El Chaltén

14° Dia: El Chaltén

15° Dia: El Chaltén/El Calafate

16° Dia: El Calafate/Buenos Aires/São Paulo GRU

 

Aprovado?

Categorias: América do Sul, Argentina, Chile, Destaques, Patagônia