28 Apr

Fernando de Noronha: seis dias no paraíso (ou nossa primeira viagem sem o bebê)

Fernando de Noronha foi o destino da nossa primeira viagem sem o Augusto – apenas eu e o Omar. Quando o pimpolho completou dez meses, achamos que já era hora de termos um tempo somente para nós e retomarmos os laços como casal (só quem passou pelas turbulências do primeiro filho irá entender rsrsrs). A ideia da viagem foi minha. Não vou dizer que foi fácil deixar o pimpolho, mas acredito que foi importante para todos. Antes de começar a planejar a viajar, me certifiquei que minha mãe e sogra poderiam vir ao nosso apartamento para cuidar do Augusto. Não queria deixá-lo na casa de ninguém. Queria que ele ficasse na casa dele e com pessoas que já estava acostumado. E deu certo! ele aproveitou para brincar com as avós, as avós adoraram o tempo que passaram com o neto e eu e o Omar nos divertimos na viagem :)

Baía dos Porcos

Enfim, tínhamos poucos dias antes de retomar ao trabalho para viajar (fomos nos primeiros dias de fevereiro). Partimos numa terça-feira as 6h da matina de Florianópolis e chegamos em Fernando de Noronha as 13h. Pagamos as devidas taxas no aeroporto (é obrigatório ao chegar na ilha) e fomos direto a Pousada Ilha do Frade, onde ficamos. Que aliás, adoramos e recomendamos (R$440 a diária)! Nesse primeiro dia, aproveitamos para comer algo com calma (escolhemos o Restaurante Corveta), pagar a taxa da carteirinha ambiental (sim, além da taxa de entrada na ilha – por dia, há também uma taxa para adquirir uma carteirinha ambiental para poder entrar em algumas praias e fazer algumas trilhas localizadas na parte da ilha onde há proteção ambiental. Ao todo, para seis dias, pagamos R$1000 o casal, somente de taxas ambientais. Depois de comer algo e com todas as taxas pagas, aproveitamos para acompanhar a soltura das tartarugas, pelo Projeto Tamar, na Praia do Bode – e ainda curtir aquele pôr do sol!

Almoço no Restaurante Corveta

No nosso segundo dia na ilha, fizemos um passeio chamado Ilha Tour. Ele dura o dia todo, com poucas pessoas, e percorre as principais praias (além de conhecer as histórias locais). Fomos a Praia do Sancho (considerada a mais bonita do mundo), a Baía dos Porcos (através do observatório), Baía do Sueste (onde fizemos snorkeling com peixes, tubarões e tartarugas), Praia do Leão (através do observatório), Praia do Porto de Santo Antônio (onde saem as embarcações – bom local para snorkeling também), Praia da Cacimba do Padre (onde é o acesso a Baía dos Porcos e ao Morro Dois Irmãos) e por fim, assistimos o pôr do sol da Vila do Boldró (e foi lindo!).

Pôr do Sol no Boldró

Terceiro dia, fizemos uma grande besteira! Agendamos dois passeios de barco para o mesmo dia! Ou seja, passamos mal de tanto enjoo ;/ O Passeio da manhã era ao redor da ilha (com direito a golfinhos e tudo mais!) com uma parada na Praia do Sancho para mergulho. Foi maravilhoso! Mas acabei passando mal pois não tomei o remédio de enjoo que costumo tomar quando faço esses tipos de passeios. O passeio da tarde era o mergulho com o uso de uma pranchinha amarrada em um banco. Ao final, houve churrasco e um pôr do sol em alto mar. Muito legal também, mas muito tempo dentro do barco) Nesse dia, almoçamos no Restaurante Mergulhão com uma vista linda para a Praia do Porto de Santo Antônio! Se quiserem fazer estes passeios, agendem para dias diferentes :)

Parte da Praia do Sancho

Quarto dia, como tínhamos o dia todo livre, alugamos um buggy e voltamos as praias que mais gostamos! Fomos a Baia dos Porcos, Cacimba do Padre e Baía do Sueste. Almoçamos no restaurante da Pousada Maravilha, um dos melhores restaurantes da ilha! Esse foi um dia em que realmente descansamos e ficamos de bobeira nas praias.. sem hora para sair, sem compromisso! Por mais que os passeios comprados sejam divertidos, nada como não ter horário para cumprir..

Snorkeling na Baía do Sueste

Quinto dia, pela manhã tínhamos agendado uma trilha – Trilha dos Abreus. A trilha é relativamente curta e fácil (somente o último trecho onde é necessário descer até a praia com a ajuda de uma corda) e ao fim, você faz snorkeling em piscinas naturais. Essa trilha precisa ser agendada pois há um limite de pessoas por dia pois as piscinas naturais são protegidas. Vimos peixes de diferentes cores e tamanhos! Todas as trilhas podem ser agendadas (com antecedência) na sede do Projeto Tamar. Queríamos ter feito a Trilha do Atalaia mas não haviam mais vagas ;/

Vista do Restaurante Mergulhão para a Praia do Porto

A tarde fomos fazer mergulho subaquático! O Omar já é licenciado e foi muito mais fácil para ele. Mas para mim, esse foi meu primeiro, e fiquei um tanto apreensiva! Mas deu tudo certo e adorei a experiência! O mergulho foi a 12 metros de profundidade guiada por um instrutor experiente! A empresa que contratamos para o mergulho foi a Atlantis :) Para finalizar, jantamos no Restaurante Varandas e adoramos! Consideramos um dos melhores de Fernando de Noronha!

Pôr do sol em alto mar

Sexto e último dia percorremos algumas trilhas livres e almoçamos no restaurante da Pousada Zé Maria e partimos para o Aeroporto. Nosso vôo saiu as 15h e chegamos em Florianópolis a meia noite. Chegamos em casa morrendo de saudade do nosso pimpolho!

Mergulho de batismo

Se valeu a pena? Sim! Apesar de todos os dias fazer FaceTime com o pimpolho e pensar nele quase o tempo todo, conseguimos curtir a ilha sem aquela preocupação com as necessidades do filhote. Nos curtimos, namoramos, conversamos.. Foi uma viagem necessária para firmar os laços do relacionamento. Necessário após tantas turbulências pós bebê! Ficamos tranquilos quanto ao Augusto pois sabíamos que ele estava em casa com as suas duas avós e muito bem cuidado! Renovamos a energia e voltamos prontos para mais um ano de trabalho e parceria!

Custo x beneficio? Achamos Fernando de Noronha um destino bonito mas caro. Pode ser devido as proteções ambientais e tudo mais (que achamos corretíssimo!) mas se for analisar tudo o que a ilha oferece e os preços praticados, o destino torna-se caro. É lindo, águas transparentes, dias maravilhosos, paisagens que dão vontade de ficar aí para sempre.. ou seja, todos os clichês possíveis, mas preparem os bolsos.. Como não há muitas opções, não tínhamos muitas escolhas. Todos os mantimentos vem do continente por navios e isso já vem embutido no preço dos itens, principalmente itens do mercadinho, como a água. Restaurantes bons também acabam sendo caros.  Mas enfim, nos já fomos sabendo que seria um destino caro. Acho que o mais importante é estar consciente disso e aproveitar as belezas naturais da ilha :)

Mais sobre Fernando de Noronha:

Facilite sua viagem:

Categorias: Brasil, Fernando de Noronha, Pernambuco